in

Boas práticas de e-mail: evite o internetês ao redigir uma mensagem formal

O Etiqueta Virtual já falou, em textos anteriores, sobre o tom de voz na internet, destacando o quanto a pontuação, os emojis e as risadas podem impactar na interpretação de uma mensagem. Agora, continuando com a nossa série sobre boas práticas de e-mail, vale ressaltar que o tom de voz também deve ser um fator para se prestar atenção, já que toda a comunicação por essa ferramenta se dá de maneira escrita, não tendo nem a opção de áudio. Mas considerando o e-mail, vamos além das dicas dadas anteriormente, já que é importante tomar cuidado com o chamado internetês, principalmente se a mensagem for para fins formais e profissionais.

Internetês: saiba o que é

O internetês nada mais é do que a utilização de abreviações ou de termos nascidos na internet, onde sua utilização é indicada apenas no ambiente virtual e em momentos informais, como conversas com os amigos nas redes sociais.

Algumas abreviações são tão comuns que, no momento de escrevermos um e-mail formal, nem percebemos que a utilizamos. É o caso de “vc”, que significa “você”. Ou “tbm”, que é a abreviação de “também”.

Outra característica do internetês é substituir os acentos por letras. Nas palavras terminadas em “ão”, substitui-se por “aum”. Quem nunca leu a palavra “naum” ao invés de “não”? Esse hábito surgiu no começo dos computadores, quando não havia acentuação nos teclados.

Mas, hoje em dia, sendo possível utilizar todos os acentos, deve-se deixar a prática de lado ao mandar um e-mail ou trocar mensagens formais.

Também vale lembrar que a maneira como as suas mensagens e e-mails forem interpretadas é o que determinará se as pessoas terão uma boa percepção sua. Assim, o jeito que você escreve é determinante na imagem pessoal e profissional que as pessoas construirão sobre você!

Portanto, sempre preste atenção ao redigir um e-mail e nunca se esqueça de revisar o texto antes de apertar o botão “enviar”! 😉

Deixe seu comentario

Written by Tânia d'Ávila

Tânia d’Ávila é paulistana, graduada em relações públicas pela FAAP e pós-graduada em marketing e comunicação integrada pelo Mackenzie. Em sua formação, destacam-se cursos voltados para a área de marketing digital (ESPM), branding (Trespontos e FGV) e planejamento estratégico de comunicação (Trespontos e ESPM), além de ter cursado Docência e Metodologia de Ensino Superior pela FGV. Possui mais de 7 anos de experiência, tendo trabalhado em agências e consultoria de branding e marketing digital, nas áreas de conteúdo e planejamento estratégico. Desde 2014, atua como consultora de branding, relações públicas e marketing digital, apoiando empresas de pequeno e médio porte em ações de comunicação aliadas à gestão de marca. Escreve artigos sobre os segmentos e ministra palestras sobre a área.

[g1_socials_user user="9" icon_size="28" icon_color="text"]

Boas práticas de e-mail: campos para, com cópia e com cópia oculta

Boas práticas de e-mail: antes de enviar, revise o texto